Quinze novos leitos de UTI Covid-19 SUS são ativados em Ipatinga

Ipatinga – A Saúde pública em Ipatinga ganha mais um reforço no combate ao novo Coronavírus, a partir desta quinta-feira (9): 15 novos leitos de UTI Covid-19 SUS já estão disponíveis para o uso da população, sendo dez no Hospital Municipal Eliane Martins (HMEM) e cinco no Hospital Márcio Cunha.

Desde o início da pandemia, o município tem realizado importantes investimentos em saúde, nas mais diversas frentes. No mês de fevereiro, o Hospital Municipal dispunha apenas de dez leitos de UTI, onde era realizada a internação para variadas doenças. Em março, a Administração ampliou em mais dez o número de UTIs-SUS, mas para atendimento exclusivo a pacientes com Covid-19. E agora outros dez leitos estão sendo colocados em funcionando no HMEM, totalizando assim 30 leitos de UTI para atendimento de casos de Coronavírus e outras patologias.

Também já estão em funcionamento no Hospital Márcio Cunha cinco novos leitos de UTI Covid-19 SUS. Essa expansão no HMC foi possível após a doação, feita pelo Estado de MG, de respiradores de alta performance (equipamento essencial para o funcionamento de Unidade de Terapia Intensiva).

Outra ação estratégica em saúde empreendida pelo Governo municipal é a expansão no número de enfermarias dentro do Hospital Municipal. Antes da pandemia, a unidade contava com 16 leitos clínicos. Já no mês de março, esse número foi elevado a 40. E nos próximos dias a ampliação chegará a 60 novos leitos de enfermaria. Além disso, o Hospital de Retaguarda está preparado com capacidade inicial para atender até 40 pacientes, em leitos de Enfermaria. Havendo demanda, outros 160 podem ser montados, chegando a um total de 200.

Ipatinga, por ser cidade-pólo, atende outras 13 cidades que fazem parte da sua microrregião de saúde, e tem atendido também outras microrregiões como as de Coronel Fabriciano e Timóteo.

Prioridade

O prefeito Nardyello Rocha lembra que, em relação à pandemia, a prioridade do Governo é detectar mais rapidamente o paciente contaminado, para realização do tratamento precoce, antes que haja necessidade de internação em leito clínico ou de UTI.

“Fizemos a alteração nos nossos protocolos de atendimento básico, facultando ao médico a possibilidade de receitar remédios como Azitromicina e Hidroxicloroquina, com consentimento do paciente. Isso é mais uma alternativa para tentar frear a doença logo no início dos primeiros sintomas. Outra ação fundamental que está sendo realizada de forma preventiva é a testagem em grande escala em diversos profissionais da linha de frente da nossa cidade. Hoje, Ipatinga é a cidade em Minas e também no Brasil que mais realiza teste rápido. Tudo isso é um esforço para evitar que a pessoa necessite do leito, mas caso ela venha precisar, nós preparamos a ampliação para atender a demanda”, esclareceu o chefe do Executivo.

Nardyello também explica a importância das medidas de isolamento social que foram realizadas na cidade ainda no início da pandemia. “Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance para achatar a curva de contaminados nos primeiros meses da doença, com objetivo de prepararmos mais leitos para quando chegasse o pico da doença. E agora que estamos vivendo o ápice do Coronavírus, Ipatinga conseguiu ampliar o número de leitos, trazendo um pouco mais de tranquilidade para a população”.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *