sexta-feira, julho 19, 2024
DestaquesPolícia

PIEDADE DE CARATINGA: Operação Effluo da Polícia Civil mira esquema de fraude em concurso público

PIEDADE DE CARATINGA – As investigações sobre um esquema envolvendo fraude em concurso público, realizado em Piedade de Caratinga no último dia 28 de maio, resultaram no cumprimento de oito mandados de busca e apreensão durante a operação Effluo. Nesta segunda-feira (5/6), a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) cumpriu as ordens judiciais nos municípios de Caratinga, Piedade de Caratinga, Ipanema e Pocrane, todos expedidos contra candidatos suspeitos.

No curso dos trabalhos policiais, foram apreendidos quatro celulares, dois notebooks, um HD externo e documentos. Os suspeitos serão intimados e ouvidos oportunamente em inquérito policial.

A ação foi coordenada pela 2ª Delegacia Regional em Caratinga, no Vale do Rio Doce, e contou com a participação de 21 policiais civis.

Denúncia

No dia 26 de maio deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) recebeu um vídeo informando sobre a possível fraude no referido concurso. A denúncia especificava, inclusive, quais candidatos seriam beneficiados.

Diante disso, o MPMG propôs uma reunião com a presença de representantes do órgão, do Executivo de Piedade de Caratinga e da PCMG. Na ocasião, ficou acordado que a Polícia Civil fiscalizaria o certame no dia da aplicação das provas, sendo autorizada a inspeção pelo prefeito do município. Todos os gabaritos das provas foram digitalizados para eventual conferência posterior, caso a fraude se concretizasse.

Na última sexta-feira (2/6), o Ministério Público recebeu um e-mail anônimo informando sobre o vazamento das provas e gabaritos para os cargos de advogado do Centro de Referência de Assistência Social (Cras), dentista protesista e enfermagem com especialização em estomaterapia. No e-mail estavam anexadas as provas em arquivo colorido, diferentemente da impressão das provas realizadas pelos candidatos no dia 28, em preto e branco. Os gabaritos também estavam em arquivo com data anterior à prova (27/5).

Em análise no site oficial da banca organizadora do concurso, apurou-se que as provas não foram divulgadas, comprovando o vazamento.

Investigação

Diante dos indícios, a Polícia Civil passou a investigar os candidatos suspeitos de terem fraudado o concurso, identificando três pessoas que concorreram aos cargos de advogado do Cras, dentista protesista e enfermagem com especialização em estomaterapia, as quais possivelmente teriam tido acesso às provas e aos gabaritos antes da data da realização do concurso.

Conforme apurado, os três candidatos obtiveram 39 acertos em 40 questões, errando todos eles a mesma (a de número 15), o que reforça a fraude. Assim, a PCMG representou pela expedição dos mandados de busca e apreensão com o objetivo de reunir outros elementos informativos para subsidiar a investigação.

A apuração da PCMG pretende esclarecer quem teria disponibilizado as provas e os gabaritos, os candidatos beneficiados com o vazamento e a eventual fraude no processo licitatório para contratação da banca examinadora.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *