CONHEÇA O INVENTÁRIO FLORESTAL DA BACIA DO RIO DOCE

Redação – A Fundação Renova vem realizando um Inventário Florestal das áreas com floresta na bacia do rio Doce. Esses estudos de diagnóstico começaram em julho de 2019, e avaliam a biodiversidade da flora e as condições do solo nas áreas de nascentes, margens de rios e de recarga hídrica.

O estudo mapeará a biodiversidade da flora, das condições do solo e da paisagem nas áreas de nascentes, de margens de rios e de recarga hídrica. Este é considerado o maior inventário florestal em andamento em nosso país, abrangendo 87 mil km², cerca de 220 hectares de área amostral, e incluindo, aproximadamente, 230 municípios.

Os estudos irão nortear as ações de restauração da Fundação, possibilitando comparar e mensurar o avanço do processo de restauração florestal com os dados e informações dos ecossistemas de referência da bacia do rio Doce. A previsão é de que ele seja concluído ainda em 2020, fornecendo ambientes de referência para esses trabalhos.

Entenda como é feito o inventário

Em função dessa grande abrangência do Inventário Florestal, sua área de atuação foi dividida em nove sub-bacias: Suaçuí, Piranga, Santo Antônio, Pontões e Lagoas, Manhuaçu, Caratinga, Piracicaba, Santa Maria do Doce e Guandu.

Nas áreas de floresta, são instaladas unidades amostrais (UAs). Nesses locais são coletados dados dos exemplares da flora ali presentes, como a altura, o diâmetro à altura do peito, qual a espécie, entre outros. É feito um estudo da diversidade e a densidade de espécies nativas, a cobertura vegetal e a cobertura de espécies invasoras (mato, gramíneas). A partir desses dados, são criados ecossistemas de referência, que permitem observar o processo de regeneração natural em diversos estágios da sucessão ecológica e perceber quais espécies se adaptam melhor a cada tipo de ambiente.

As plantas estudadas receberão uma placa com um QR Code. Através do código, qualquer um poderá acessar informações como seu o nome científico e popular, altura, diâmetro do tronco e tamanho da copa. O inventário florestal irá calibrar as metas dos indicadores ecológicos que são: a diversidade de espécies nativas, a densidade de espécies nativas, a cobertura vegetal e a cobertura de espécies invasoras (mato, gramíneas).

 

Resultados

O estudo acontece nas áreas de nascentes, áreas de preservação permanente de margens de rios e córregos e zonas de recarga de água da bacia do rio Doce e os resultados serão fundamentais para identificar as áreas que merecem mais atenção no processo de restauração florestal.

Os resultados obtidos com o Inventário Florestal serão disponibilizados aos órgãos ambientais de Minas Gerais e do Espírito Santo, podendo servir como base para planejamentos estratégicos e desenvolvimento de políticas públicas ambientais para a bacia do rio Doce.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *