Projeto do novo Código Tributário de Timóteo esquentou o clima na Câmara Municipal

Reunião das comissões internas da Câmara – Foto PCReis/JBN

TIMÓTEO – Os vereadores participaram, na tarde desta segunda-feira (18/10), da reunião de comissão conjunta para apreciação do substitutivo do novo Código Tributário Municipal (projeto de lei complementar 01/2021). A matéria passou pelas comissões de Constituição e Justiça, Orçamento e Administração Pública (sete votos favoráveis e dois contrários), e seguirá para votação em Plenário. Os vereadores podem propor emendas.

A proposta original encaminhada pelo Executivo passou por questionamentos – especialmente com relação ao aumento de alíquotas – o que levou à proposição de várias emendas. Desta forma, ficou acordado entre a Administração e a Câmara, o envio do projeto substitutivo, já com a incorporação das propostas sugeridas pelos vereadores.

Debate acalorado 

Nos debates sobre PL, o vereador Geraldo Gualberto, demonstrando desconhecimento da matéria e ignorando o substitutivo apresentado pelos vereadores no projeto original,  tentou tumultuar a reunião de comissões e conseguiu, indicando que os vereadores da Casa Legislativa gozam de benefícios junto a administração municipal para apoiar matérias na Câmara. Gualberto chegou afirmar que os vereadores possuem indicações de cargos na Prefeitura.

A situação gerou um bate-boca generalizado, sobrando para o secretário da Mesa Diretora, vereador Thiago Torres, defender os colegas e apontar ao vereador Gualberto “que o senhor tem memória curta, em um passado recente, quando o senhor tinha trânsito na administração, indicou a servidora (…) que lá está até hoje. Thiago Torres ainda esclareceu que cargos na prefeitura na atual administração são preenchidos através de processo seletivo ou concurso público.

Para o relator, Brinnel Tozzati, é importante chegar a um equilíbrio, que contemple a necessidade de arrecadação ao município, sem prejudicar a população. “O Substitutivo foi uma construção conjunta entre a Administração e os vereadores. Ele representa um avanço em relação à proposta original, e atendeu à capacidade contributiva, bem como respeitou os princípios da razoabilidade e proporcionalidade”, destacou.

Tozzati ainda comentou sobre a importância de votar a matéria. “Sabemos da complexidade da matéria, mas é necessário discutirmos esse código tributário porque há 24 anos não há atualização deste instrumento tão importante para o desenvolvimento do município. O que temos hoje é um conjunto de remendos legislativos, que dificulta até a interpretação”, ressaltou.

Alterações

Conforme o parecer da Procuradoria Geral da Câmara, o substitutivo está apto para tramitar regularmente na Casa, visto que as questões pendentes de constitucionalidade foram corrigidas.

Dentre as alterações em relação à proposta originalmente encaminhada pelo Executivo, está a manutenção das alíquotas do IPTU residencial e comercial, bem como a revisão do desconto para aposentados para quem ganha até 3 salários mínimos. Outra mudança é a manutenção da atual alíquota do ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) em 2%. O percentual de 4%, proposto originalmente, foi muito questionado.

Contrários

O substitutivo ao PCL n° 01/2021 (novo Código Tributário) recebeu dois votos contrários na votação nas comissões: Vinícius Bim e Fabiano Ferreirah. Para Bim, faltou mais discussão junto à sociedade. “É uma matéria muito complexa. Legalmente, está correta. Contudo, há a questão contextual, o impacto que isso vai gerar na população. Precisamos discutir mais”, pontuou.

Já para Fabiano, o problema é o momento. “Penso que é necessário sim rever o Código Tributário, mas esse não é o momento de votar esse projeto, dada a situação econômica da população”, ponderou.

O presidente da Câmara, vereador Luiz Perdigão, divergiu dos dois vereadores, lembrando que a matéria foi amplamente discutida em várias oportunidades. Perdigão mencionou a realização de Audiência Pública e a sabatina com a empresa Lage&Lage sobre os pontos polêmicos do PL. “Nós não estamos colocando para votação um PL dessa importância a toque de caixa. Se o vereador quer discutir a matéria, respeito a opinião de todos, mas dizer que o assunto não foi amplamente discutido, eu não aceito”, explicou.

Reunião extraordinária

A abertura de crédito especial adicional ao orçamento no valor de R$30 mil, destinados à execução do Consórcio de Municípios para o Desenvolvimento Integrado (COMDIN), firmado na Lei nº 3.792/2021 (PL nº 4.396), foi aprovada, em votação única, na reunião extraordinária realizada na tarde de hoje (18/10).

Também foi aprovado, em votação única, o projeto de resolução nº 501, que dispõe sobre a complementação da recomposição dos vencimentos e proventos dos servidores e do subsídio dos Agentes Políticos do Poder Legislativo Municipal de Timóteo, de autoria da Mesa Diretora.

Executivo

Outra matéria que passou pela primeira votação do PL nº 4.395, que “altera dispositivo da Lei nº 3.798, de 06 de julho de 2021, que concede recomposição de perdas e altera o vale-alimentação dos servidores do Executivo Municipal de Timóteo”, de autoria do Executivo Municipal.

Uma das condições para a concessão do reajuste prevista na matéria é o pagamento da segunda parte do IPTU (Imposto sobre a Propriedade Territorial Urbana) da Aperam, que está judicializado. Contudo, os vereadores acordaram a apresentação de emenda para a retirada desta exigência, que já foi acordada pelo Executivo.

 

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *