domingo, fevereiro 25, 2024
CidadesDestaquesMeio Ambiente

Deputada, Prefeitos e Vereadores se unem para reformar a histórica Ponte Queimada

Fotos PCReis/JBN

PINGO D’ÁGUA – Prefeitos e vereadores das cidades de Pingo D’àgua, Córrego Novo, Marliéria e Jaguaraçu, realizaram neste domingo (7) um movimento na Ponte Queimada, entrada do Parque do Rio Doce, com a presença da deputada estadual Rosângela Reis. Os prefeitos respaldaram o encontro apresentando aos presentes um abaixo assinado de iniciativa popular, contendo mais de 5 mil assinaturas, pedindo a reforma da ponte.

Os prefeitos Hamilton Lima (Marliéria), Elder Fragoso (Córrego Novo), Luiz Paulo Coelho (Pingo D’água), Márcio Lima (Jaguaraçu), se juntaram à deputada Rosângela Reis para reivindicar a reforma da Histórica Ponte Queimada – Fotos PCReis/JBN

O encontro que também contou com a presença da coordenação do Movimento MG-760, dos ciclistas de toda região e Jipeiros do Vale do Aço, teve como principal objetivo chamar a atenção para a necessidade da reforma da travessia, que atualmente vem sendo usada, porém, de maneira precária devido ao seu péssimo estado de conservação.

O prefeito Luiz Paulo Coelho e o vice-prefeito Vadico (Pingo D’água); a vereadora Samira; o vereador Marinho, com a deputada Rosângela Reis

Conforme explicou a deputada Rosângela Reis, a intenção dos integrantes do movimento é o de incluir a reforma da Ponte Queimada, ao grande projeto para investimentos no Parque Estadual do Rio Doce (PERD), por meio de recursos da Fundação Renova, apresentado no último dia 26 de fevereiro para uma comitiva de lideranças políticas do Vale do Aço, encontro realizado no PERD. “São R$ 93 milhões a serem aplicados em melhorias de infraestrutura, lazer, turismo e pesquisa dentro da maior área contínua de Mata Atlântica preservada no Estado”, contou a deputada.

O prefeito Hamilton Lima e o vereador Breno Brandão (um dos idealizadores do evento), com a deputada Rosângela Reis – Foto PCReis

A HISTÓRIA

Fotos PCReis

A Ponte Queimada foi construída na década de 1930, pela então empresa Acesita. A Ponte  guarda a história de um único caminho para o escoamento da produção de carvão, e uma importante ligação a outras cidades.

Cruzando o Rio Doce, em 200 metros de extensão, entre os municípios de Pingo D´Água e Marliéria, a Ponte Queimada é uma das mais atrativas entradas para o Parque Estadual do Rio Doce, a maior reserva natural de Mata Atlântica de Minas Gerais. A Ponte Queimada, mesmo em ruínas, detém uma vista privilegiada para os amantes da natureza.

Os ciclistas se juntaram ao movimento – Foto PCReis

As prefeituras de Timóteo, Marliéria e Dionísio, municípios onde se situa o Parque Estadual do Rio Doce, estão de olho neste importante ponto cultural da história. Ambientalistas prometem exigir responsabilidade dos municípios, caso não seja tomada nenhuma providência. A primeira medida é promover a reforma do tablado das pontes sobre o Rio Doce e também sobre o Ribeirão do Turvo.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *