Tribunal de Contas de Minas considera irregular licitação promovida por Coronel Fabriciano

Fabriciano – O Tribunal de Conta de Minas considerou irregular o Edital de Licitação n. 1.031.507, Processo Licitatório nº 001/2018, relativo ao Pregão Presencial realizado pelo município de Coronel Fabriciano para contratação de serviços técnicos especializados com vistas à prestação de serviços multidiciplinares necessários ao desenvolvimento institucional da prefeitura.

A decisão foi publicada no Diário Oficial de Contas (DOC) dessa segunda-feira, 03/08/2020.

A Corte de Contas mineira, na sessão da Segunda Câmara do dia 23 de julho, acompanhou o parecer do conselheiro Cláudio Couto Terrão, relator do processo, que entendeu não ter havido clareza na definição do objeto da licitação, o que dificulta a execução do contrato e não atende ao interesse público, que é o objetivo maior da licitação.

Identificou que não houve o parcelamento do objeto contratado, sem a devida justificativa, o que restringe a competitividade do procedimento e impede que a Administração Pública obtenha a melhor proposta, em ofensa ao disposto na Lei de Licitação n 8.666/93. Também identificou que não foram exigidos profissionais especializados para a execução das atividades relacionadas à realização do Plano Diretor (PD) e do Plano de Mobilidade Urbana (PMU). Alegou que PD e o PMU são projetos distintos e demandam profissionais diferentes. Tal conduta pode impedir a participação de empresas aptas a cumprirem apenas um dos objetos.

O tribunal ainda apontou a escassez do prazo de início de execução dos serviços, também sem a devida motivação. Assim está prescrito no subitem do edital:

10.1. A licitante vencedora ficará obrigada a executar os serviços, conforme a necessidade e o interesse da Prefeitura Municipal de Coronel Fabriciano, no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas após o recebimento da Autorização de Fornecimento expedida pela Prefeitura Municipal de Coronel Fabriciano.

Para os membros da Segunda Câmara a determinação restringe a competitividade do processo licitatório em razão da “exiguidade do prazo para entrega”, o que afasta licitantes que não terão condições de atender à Administração Pública no prazo fixado. Justificou que a imposição do prazo para o início da execução do objeto privilegia fornecedores locais em detrimento de participantes incapazes de assumir as obrigações contratadas em razão das distâncias entre suas sedes e o município.

Dessa forma, o tribunal responsabilizou o secretário de Governança de Controle, Gestão e Transparência, José Márcio Gomes Pereira; o secretário de Governança Urbana, Planejamento e Meio Ambiente, Douglas Prado Barbosa; o secretário de Governança Educacional, Carlos Alberto Serra Negra, bem como o pregoeiro, José Pereira, e o advogado-geral do município, Denner Franco Reis, pelas irregularidades no Procedimento Licitatório nº 001/2018.

O TCEMG ainda aplicou multa pessoal aos responsáveis no valor de R$ 1.000,00 (mil reais) por falha cometida.

Recomendou, por fim, que, quando de licitações futuras, leiam a cartilha “Como elaborar Termo de Referência ou Projeto Básico” e que incluam no contrato o reajuste por índice a ser aplicado na hipótese de o instrumento vigorar por período superior a 1 ano.

NOTA

Em nota, a Prefeitura de Fabriciano por meio da Secretaria de Governança Jurídica informa que as irregularidades apontadas são questionáveis, não havendo nelas gravidade. A Secretaria informa ainda que a decisão é passível de recurso e que o mesmo será interposto em tempo e modo. Ao se julgar o recurso interposto, a decisão deverá ser reformada, em virtude de, como já destacado, tratar-se mera formalidade do edital.

Fonte: https://www.tce.mg.gov.br/noticia/Detalhe/1111624624

 

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *