Comissão de Interconselhos repudia ação sensacionalista em torno do Sodalício Tio Questor

Timóteo – “Esta Comissão repudia de forma veemente atitudes que exponham a vida dos internos e que contrariam o Estatuto do Idoso e os seus direitos assegurados por lei. Também não concorda com a divulgação sensacionalista sem respaldo técnico e com a única finalidade de desqualificar todo o esforço e empenho da equipe técnica em garantir um atendimento de qualidade aos idosos”.

Essa é uma das afirmações contidas em uma Carta Aberta à População de Timóteo, idealizada por uma comissão formada por membros do Interconselhos, órgão colegiado que reúne representantes dos Conselhos Municipais da Assistência Social; dos Direitos da Mulher; dos Direitos do Idoso; dos Direitos da Criança e do Adolescente, dos Direitos da Pessoa com Deficiência, de Saúde, e de Educação de Timóteo.

A ideia da carta aberta surgiu após sucessivas “denúncias” de que os internos do Sodalício Tio Questor estariam desassistidos e vulneráveis à pandemia da Covid-19. “Com predominância da doença abrangendo especialmente pessoas idosas e ou com comorbidades, os membros do Interconselhos decidiram criar uma comissão para averiguar a situação do Sodalício Tio Questor, um importante abrigo de idosos situado em Timóteo”, informa a carta.

A insistência de um vereador da oposição e de algumas pessoas na tentativa de utilizar de forma sensacionalista a morte de cinco internos causou indignação levando preocupação não só aos familiares dos idosos como também dos servidores que atuam no local. Uma blogueira chegou a invadir o Sodalício e a entrevistar uma idosa, sem autorização da instituição e contrariando as medidas de segurança sanitária do local, colocando em risco a vida dos internos numa possível transmissão do vírus.

Diante disso a Comissão do Interconselhos examinou documentos, relatórios técnicos da Vigilância Epidemiológica, dados clínicos dos internos, a adoção dos protocolos de convivência no local e a ouvir relatos de servidores que atuam no asilo. Como resultado, os membros da Comissão constataram “ser improcedente as denúncias feitas ao trabalho realizado no Sodalício Tio Questor”.

Comissão

Nesta quinta-feira (13) foi constituída uma comissão especial para investigar os óbitos ocorridos no Sodalício Tio Questor, no bairro Primavera, desde o início da pandemia. A comissão, requerida pelo vereador Adriano Alvarenga, também vai investigar se as mortes têm relação com a pandemia, bem como a condição das instalações local. A comissão ficou assim definida: Alexandre Maria (presidente), Dr. José Fernando (relator) e Adriano Alvarenga.

 

 

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *