Usuários reclamam do abandono da Rodoviária de Coronel Fabriciano

Fabriciano – O vereador Marcos da Luz (PT) tem recebido pelas redes sociais várias reclamações de usuários da Rodoviária Nova de Coronel Fabriciano, acerca do descaso da atual Administração Municipal com o referido Terminal Rodoviário “Rufino da Silva Neto”, denominação que homenageia o ex-prefeito da cidade.

Uma das reclamantes, a fabricianese Jack Silva, que atualmente reside em Belo Horizonte, mas vem à cidade regularmente, afirmou que “a Rodoviária precisa de policiais e limpeza. O banheiro não tem como usar”.

Carlos Júlio Gonçalves, morador do bairro Caladinho,  também enfatiza que a Rodoviária de Fabriciano se encontra completamente abandonada pelo poder público. “A noite fica difícil pra quem vai viajar ou pra quem tem de esperar alguém. A Rodoviária está tomada por vândalos, que abordam as pessoas antes mesmo de descer dos veículos. Precisei esperar um ônibus e fui abordado por vários pedintes. Por estar no Centro da cidade, uma Rodoviária na qual várias linhas de ônibus passam de madrugada, eu entendo que deveria ter a presença da Polícia. Está difícil e perigoso para quem precisa ir lá à noite”.

Outro que reclamou com o vereador é o timotense Waldemar Moreira Fernandes, o qual disse que esteve na Rodoviária Nova de Fabriciano no final de semana e que a imagem do local – que era para ser um cartão de visitas da cidade – “é deprimente, sujo, com mendigos dormindo no chão, banheiro feminino interditado, papéis pregados nas paredes aleatoriamente e sem nenhuma segurança”.

Com cerca de 3.230m² de área construída, inaugurado em 1988 pelo então prefeito Paulo Antunes, em substituição à Rodoviária Velha da avenida Magalhães Pinto, o Terminal Rodoviário de Coronel Fabriciano, também conhecido como Rodoviária Nova, é a maior estação da região, com fluxo médio anual de cerca de 150 mil passageiros.

Na opinião do vereador Marcos da Luz, a situação da Rodoviária Nova não difere do resto da cidade, que está toda suja e abandonada. Para ele, a intenção do governo tucano é a de sucatear o patrimônio público para privatizá-lo, passando-o à iniciativa privada à preço de banana.

“Inclusive, tive a informação que a Administração contactou empresas do transporte coletivo com a proposta de venda da Rodoviária. Isso é um absurdo e nós não vamos aceitar, pois o empresariado visa lucro e, para tanto, cobrará taxas altíssimas dos usuários. Trata-se de um bem público histórico. Exigimos que a Prefeitura faça a sua manutenção e melhore as condições da Rodoviária Nova para atender com qualidade a todos os seus usuários”, concluiu.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *