CONTINUA O ALERTA: Talude em Barão de Cocais movimenta 51,8 cm por dia

BARÃO DE COCAIS – Continua o alerta na cidade de Barão de Cocais. 51,8 centímetros por dia é a velocidade da movimentação do talude norte da cava da mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais. O relatório, divulgado neste domingo (23) pelo Corpo de Bombeiros, trouxe uma velocidade de três centímetros por dia maior do que a atualização do sábado (22), quando a estrutura se movia 48,9 cm/dia.

De acordo com os militares, a tendência é de que o talude sofra um escorregamento lento e desagregado para o fundo da cava, o que não provocaria um temido abalo sísmico que poderia afetar a estrutura da barragem Sul Superior, a 1,5 quilômetro de distância. A próxima medição está marcada para 21h. Na operação do domingo, três militares foram empenhados para acompanhar as obras de contingenciamento ao longo do curso dos rejeitos para reduzir o impacto sobre a cidade em caso de rompimento da barragem.

Em risco desde março deste ano, a situação na cidade da região Central mineira chegou a ser mais desesperadora no mês passado, quando foram apontados os riscos com a provável queda do talude sobre a mina. Simulados foram feitos e famílias precisaram deixar as casas por conta do risco. Além de Barão de Cocais, as cidades de Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo poderiam ser atingidas com os rejeitos.

Nas três cidades, a população que precisará ser retirada de casa para não ser levada pela lama ultrapassa 10 mil pessoas. Todos esses municípios já passaram por simulados de evacuação para saber para onde correr em caso de rompimento da barragem.

Compartilhe em suas redes sociais

One thought on “CONTINUA O ALERTA: Talude em Barão de Cocais movimenta 51,8 cm por dia

  • 24 de junho de 2019 em 11:55
    Permalink

    Será que desde março, não houve tempo, interesse, ou capacidade para elaborar e executar um plano de contenção do rejeito da Mina do Gongo Soco, caso venha romper? Será que estão esperando por mais um trágico acidente ambiental e a morte de mais pessoas para entenderem a necessidade de uma ação urgente para evitar mais morte e mais destruição ambiental?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *