Concessões das BR’s 381 e 262 em debate da ALMG

Timóteo – Acontecerá nesta sexta-feira, 23 de agosto, às 9 horas na sede da FIEMG Regional Vale do Aço, no bairro Horto em Ipatinga, audiência pública requerida pelo deputado estadual Celinho Sintrocel (PCdoB) para debater proposta de concessões e parcerias público-privadas dos trechos da BR-381, entre Belo Horizonte e Governador Valadares (Rio Doce), e da BR-262, entre Belo Horizonte e Viana, no Espírito Santo, seus desdobramentos e suas consequências para os usuários da rodovia e a população do seu entorno.  A audiência será realizada pela Comissão de Transportes, Comunicação e Obras Públicas da Assembleia Legislativa.

O deputado Celinho defende que um debate amplo seja realizado pela sociedade com vistas a esclarecer dúvidas e também colher sugestões e demandas dos municípios afetados pela obra, bem como de segmentos que também serão impactados pelo projeto, como transportadores, usuários esporádicos e regulares da rodovia.  Celinho destaca que o ponto mais polêmico do debate é a implantação das praças de pedágio que somam 11, sendo 5 na BR 381, de Belo Horizonte a Governador Valadares e as demais na BR 262, no sentido Viana, Espírito Santo.

O deputado Celinho defende que um debate amplo seja realizado pela sociedade com vistas a esclarecer dúvidas

O deputado acredita que a questão do pedágio já está praticamente definida, mas que é preciso questionar o valor das tarifas propostas e discutir formas de barateá-las. Celinho destaca, por exemplo, que a BR 381 já recebeu investimentos públicos em dois lotes – (lote 7 entre Caeté e Barão de Cocais e lote 3.1 entre Jaguaraçu e Nova Era) que estão em fase de conclusão de novo piso, pistas duplicadas, implantação de obras de artes concluídas como viadutos, pontes e túneis. “Não seria justo para os usuários pagarem  esse valor nos trechos já concluídos com dinheiro público”, enfatiza.

Outra proposta que merece avaliação é, por exemplo, a ampliação do prazo das concessões para 40 ou 45 anos, para que se possa também reduzir o custo dos pedágios, principalmente na BR 381, que recebeu os investimentos públicos em mais de 70 km, enquanto a 262 não teve esse investimento. “O pedágio, em minha opinião, deveria ser diferente para a 381 e para a 262”, destaca. Celinho alerta ainda que o alto custo dos pedágios poderá impactar ainda o preço dos fretes, encarecendo produtos e inviabilizando a expansão econômica na região, pelo alto custo dos pedágios.

O deputado salienta  ainda que outros temas também serão pontos de questionamento como a construção de passarelas, trevos e alças de acesso, e destaca que o momento de reivindicar melhorias relevantes é agora, antes de aprovado todo o projeto. “Temos muitas comunidades que vivem ao longo das BR’s e que poderão ser beneficiadas dentro do projeto. Por exemplo, as comunidades de Lagoa do Pau e Salvador Gomes, distritos de Jaguaraçu, o acesso para os municípios de Timóteo e Coronel Fabriciano, na ponte velha, acesso ao novo distrito industrial de Coronel Fabriciano. São propostas que queremos incluir no projeto”, enfatiza Celinho.

Para Celinho são muitos os questionamentos em torno do projeto, “ mas temos a consciência da importância dele para o desenvolvimento econômico da região e do Estado, ao mesmo tempo em que temos de ter sensibilidade para os impactos sociais sobre as populações e vamos debater todas estas questões na audiência pública de sexta-feira”, afirma.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *