Prefeito de Fabriciano viaja e delega funções de prefeito ao secretário de Governança Política

Fabriciano – O vereador Marcos da Luz (PT) ingressou ontem (segunda-16) com uma representação no Ministério Público para tentar revogar o Decreto Municipal nº 6.532, de 10 de julho de 2018, do Chefe do Executivo, que “Dispõe sobre a delegação de competência em razão de viagem oficial do Chefe do Executivo em representação ao Município”.

O decreto delega competência ao Secretário de Governança Política, Everton Rodrigues Campos, para assinar convênios e assumir compromissos entre o Município, Estado e União, e ainda, perante a Caixa Econômica Federal, em nome do Município de Coronel Fabriciano, entre outras funções financeiras e administrativas.

Segundo a Lei Orgânica do Município, as funções elencadas no decreto são atribuições de competência privativa do Prefeito Municipal. O Decreto nº 6.532/2018 não menciona o período da viagem, nem o destino, muito menos a finalidade.

Na opinião do vereador, o decreto incorre em grave inconstitucionalidade ao delegar atribuições próprias e privativas do Prefeito ao Secretário de Governança e retirar do Vice-Prefeito José Gregório (PMDB) a competência e a prerrogativa legal de substituição no caso de ausência do titular, em flagrante ataque à Lei Orgânica do Município.

“Circulam na cidade e pelas redes sociais notícias não oficiais relatando que o Prefeito Marcos Vinicius teria viajado para a França. Não se sabe ao certo qual seria o objetivo desta viagem, quais acompanhantes e assessores viajaram com ele e qual o custo-benefício para os cofres públicos”, enfatiza Marcos da Luz.

A Lei Orgânica do Município determina que o Vice-Prefeito substitua o Prefeito no caso de impedimento e lhe sucederá na vaga. E, no caso de impedimento do Prefeito e do Vice-Prefeito, ou no caso de vacância dos respectivos cargos, será chamado ao exercício do Governo o Presidente da Câmara Municipal.

“É fato que, com a viagem oficial do Prefeito, quem deve assumir o comando da Prefeitura é o Vice-Prefeito. Em seu impedimento, competem às funções do cargo de Prefeito ao Presidente da Câmara Municipal e jamais ao Secretário de Governança”, assevera Marcos da Luz.

Na situação atual, em sua opinião, a Prefeitura está sem comando e sem governo: “nossa cidade, que já tinha um governo ruim, hoje está literalmente abandonada, sem direção, sendo administrada por um secretário que na verdade não tem a autoridade legal para tanto”, afirma.

Improbidade

Considerando que não foram respeitados os dispositivos constitucionais e legais que regulam a substituição temporária no cargo de Prefeito Municipal, com sérios riscos à estabilidade jurídica, política e econômica do Município, o parlamentar requereu ao Ministério Público seja proposta Ação Direta de Inconstitucionalidade em face do Decreto nº 6.532/2018 e aberto inquérito civil a fim de apurar possível ato improbidade por parte do gestor.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *