Ipatinga: vacinação contra gripe é menor entre crianças, gestantes e professores

IPATINGA – As baixas coberturas vacinais registradas na campanha contra a gripe em todo o país acenderam um alerta, e o Ministério da Saúde prorrogou para o dia 22 de junho o encerramento da vacinação. Para se ter ideia do cenário atual, em 2018, no Brasil, os casos de gripe já são o dobro se comparado com o mesmo período do ano passado. Em Ipatinga, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, o município alcançou até o momento 76% de cobertura. A meta preconizada é de 90% em cada grupo considerado “mais suscetível” ao agravamento de doenças respiratórias.

O total estimado de munícipes a serem imunizados é de 51.748. Entretanto, somente 40.584 estão protegidos contra a doença.

De acordo com a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Mara Fernanda, a maior preocupação se dá quanto aos grupos de gestantes e crianças de seis meses a menores de cinco anos, que atualmente somam apenas 54% de pessoas imunizadas, além dos professores com 56%.

mara

“A baixa procura preocupa em função da proximidade do inverno, período de maior circulação dos vírus da gripe, pelo número de casos e mortes registrados no Brasil. E no grupo de gestantes e crianças o alerta é ainda maior, especialmente porque a vacina é proteção dupla: tanto para a mãe quanto para o filho”, adverte Mara. Durante a gravidez, as gestantes têm maiores dificuldades no aparelho respiratório. “Elas são mais vulneráveis”, acrescenta.

A diretora explica que muitas mulheres deixam de se proteger por temores infundados de que a imunização poderia fazer mal. “Isto é falta de informação”, assegura. Ela esclarece que as vacinas indicadas na gravidez não são feitas de vírus vivo e, desse modo, não oferecem perigo.

A Secretaria de Saúde de Ipatinga disponibiliza a vacina em 15 Unidades Básicas da rede, com exceção das Unidades de Saúde dos bairros Vale do Sol, Nova Esperança, Parque das Águas, Bom Jardim II e Vila Formosa. O atendimento acontece de segunda a sexta-feira, a partir das 8h.

Grupos priorizados

O público-alvo é o seguinte: idosos a partir de 60 anos; crianças de seis meses a menores de cinco anos; trabalhadores de saúde; professores das redes pública e privada; povos indígenas; gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto) e pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em regime de medidas socioeducativas.

A escolha dos grupos prioritários para a vacinação contra a gripe segue recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Essa definição também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *