“DOIS NA PISTA” em cartaz no Teatro Zélia Olguin. Apresentação única

IPATINGA –  Dois homens se encontram na porta de uma loja. O primeiro, mais velho já na casa dos cinqüenta, traz um paletó nas mãos e procura por uma camisa listrada, o segundo é o vendedor e tem metade de sua idade. Um encontro igual a milhares de outros que acontecem todos os dias em todas as partes do mundo, mas que aqui, acaso ou coincidência, despertou antigas lembranças e fez nascer de uma forma bruta, inesperada, o amor. Um amor temperado por música, muita música.

Dois na Pista é um espetáculo que fala do amor entre dois homens porque é preciso, agora mais do que nunca, falar desse amor. O espetáculo estreou em abril de 2016, se apresentou na Campanha de Popularização do Teatro e da Dança de 2017 e 2018, esteve no FRINGE – a mostra paralela do Festival de Teatro de Curitiba, e agora faz uma única apresentação no Teatro Zélia Olguin, dentro do Festival  de Verão 2018.

“Estava em busca de um texto que falasse do amor entre iguais. Não é um assunto novo, mas que me toca e que acho sempre atual: falar dos que de alguma forma ainda estão à margem da sociedade, do mundo, dos que ainda precisam gritar pelo seu direito de amar. Falar de amor se tornou um imperativo nos dias de hoje e tornou-se ainda mais pertinente com a visível virada conservadora dos últimos anos, especialmente num Brasil de Bolsonaros e Cunhas. Falar de amor é também falar de política.” Diz o autor Alexandre Toledo, ator e diretor teatral com mais de vinte anos de carreira que faz agora sua primeira incursão na dramaturgia.  Alexandre divide a cena com o ator Alex Zannon. A direção é de Igor Ayres que entre outros trabalhos, é um dos idealizadores e realizadores da A-Mostra.Lab. A luz é de Paulo Maffei. Alexandre, Igor e Paulo se conheceram durante o curso do Cecad – Centro de Criação para atores e diretores, realizado no Sesc Palladium no segundo semestre de 2015, coordenado pela atriz e diretora Rita Clemente.

“Dois na Pista” não é um texto panfletário, não é necessário levantar bandeiras para falar de amor. O texto tenta flagrar o dia-a-dia da convivência, os momentos de conquista, de carinho e ruptura, É um espetáculo que fala do amor entre dois homens, mas poderiam ser duas mulheres ou também um homem e uma mulher. Cada casal se identifica com um aspecto da peça. “Mas os casais que mais se identificam com a montagem certamente são os casais homoafetivos”, conta Alexandre Toledo. “Já fui procurado por muitas pessoas depois da peça, pessoas que queriam me dizer que se viram espelhadas no que fazemos em cena. Se viram representadas”. É um espetáculo que não trata a homoafetividade de forma chula ou pela veia cômica, mas com o devido respeito que o assunto exige. Afinal, o que está em jogo é o amor.

Amar o outro é o que temos de melhor, mas é também o mais difícil. Não se trata de um amor filosófico, platônico, mas de um amor carnal, de desejo e tesão pelo outro. Cultura é pano de fundo. Música é o que recheia e tempera a sedução.

“Dois na pista”. Uma história baseada em fatos reais. Uma música suave toca ao fundo, na pista, a história de cada um, seus complexos, seus medos e fantasmas. Enquadrando tudo o amor ou, mais especificamente, a dificuldade de amar.

“Dois na Pista”

Festival de Verão 2018

Teatro Zélia Olguin

Dia 04 de março

20h

Ingressos a R$30,00 (inteira) e R$15,00 (meia entrada)

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *