Lideranças já se movimentam para eventual nova eleição em Timóteo

TIMÓTEO – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ainda não concluiu o processo de cassação do prefeito Geraldo Hilário Torres (PP), mas a expectativa é de que o município Timóteo passe por um novo pleito nos próximos 90 dias. Já é possível ver que embora em diferentes intensidades,  as lideranças politicas já se movimentam para um novo processo eleitoral.

Geraldo Hilário (PP) busca junto aos seus advogados legalidade para disputar o novo pleito, alegando que sua inelegibilidade de oito anos terminou em janeiro de 2018. Caso não consiga registrar sua candidatura, Hilário deve apoiar o Presidente da Câmara, Adriano Alvarenga, que no final de 2016 assinou sua filiação ao PP já acreditando nesta sucessão.

Geraldo Ribeiro (PTB), que ficou em segundo lugar na disputa, ainda não se posicionou e está esperando o resultado do TSE para iniciar sua caminhada. Na mesma linha, está o quinto colocado Douglas Willkys (PSB).  Entretanto durante os últimos meses os dois foram vistos juntos em visitas políticas, como na vinda do pré-candidato ao Governo do Estado Márcio Lacerda (PSB) a cidade. Juntos os dois somaram mais de 17 mil votos no ultimo pleito.

O Grupo liderado pelo terceiro colocado, o ex-prefeito Sérgio Mendes (Sem Partido), está trabalhando a campanha do empresário e presidente do PSDB, Hiller Felix, filho do saudoso vereador João Glauceste. O grupo do ex-prefeito acredita que o empresário representa os chamados “outsiders” (Quando o candidato não pertence ao grupo de políticos). Mendes tem negado nas redes sociais a intenção de se candidatar desde que se mudou para a cidade de Contagem  onde exerce um cargo na Prefeitura da cidade administrada pelo PSDB.

O PT  está se movimentando, mas não confirma o nome do sindicalista Antônio Marcos. O partido admite possíveis alianças. (Foto divulgada na rede social)

Já o quarto colocado nas eleições, Keisson Drumond (PT), informou em nota que pretende discutir  dentro do partido sobre a sua participação em caso de eleições extemporâneas, observando os critérios e instabilidade política vividos no momento “em nossa cidade”. Antônio Marcos (PT)  vêm mantendo uma boa relação com a atual direção do partido que pretende colocar uma chapa defendendo os trabalhadores. A direção do partido não confirmou a indicação do sindicalista como pré-candidato.

Já o médico Renato Araújo, filiado histórico do PMDB, partido aliado da atual administração, disse que coloca o seu nome está à disposição. Ele afirma que não fala em sucessão, por uma questão de ética e companheirismo  com o grupo que ora comanda o município.

Teko Resende, Carlos Vasconcelos e o vereador José Fernando, do grupo de Geraldo Hilário, são nomes que correm por fora da possível sucessão extemporânea em Timóteo. Enquanto isso, outros grupos estão se organizando para pleitear a vaga de vice.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *