Parque do Rio Doce aumenta em mais de 100% as taxas para visitantes

MARLIÉRIA – Como se não bastasse à falta de investimentos nos parques ou áreas de conservação ambiental, por parte do governo estadual, agora os visitantes terão que pagar a conta principalmente no Parque Estadual do Rio Doce. A partir de 1º de janeiro de 2018, quem resolver desfrutar das dependências do parque, terá que desembolsar R$ 20,00 por pessoa. Atualmente o valor é de R$ 10,00. O Parque Estadual do Rio Doce pertence aos municípios de Marliéria, Timóteo e Dionísio, no Estado de Minas Gerais.

Com os novos valores divulgados pela direção do Parque do Rio Doce, todos os preços sofrerão reajustes acima de 100%. Para utilizar a área de camping, por exemplo, agora os visitantes terão que pagar R$ 40,00 por pessoa. O valor atual é R$ 15,00.
Os preços salgados, elevados na área de conservação do Parque Estadual do Rio Doce também atingiram a hospedagem. O que antes se pagava R$ 50,00 para uma diária na casa de hospede, no caso de um casal, a partir de janeiro estará custando R$ 120,00.
Coincidentemente este aumento abusivo nas taxas para o visitante do Parque Estadual do Rio Doce chegará às vésperas do Carnaval e com o inicio das obras de asfaltamento da MG-760. “Se o governo do estado indicasse os recursos do meio ambiente, como taxas e multas, às áreas de conservação, certamente tiraria das costas do contribuinte mais este peso”, disse Marco Antônio Soares, que se mostrou indignado com a nova tabela imposta pelo Parque.

Compartilhe em suas redes sociais

2 comentários em “Parque do Rio Doce aumenta em mais de 100% as taxas para visitantes

  • 7 de março de 2019 em 11:06
    Permalink

    Vergonha,o valor realmente é pequeno, mas essa foto deve ser de uns 15 anos atras, la não tem mais estrutura nenhuma, sem bar sem área de banho completamente abandonado.

    Resposta
    • 7 de março de 2019 em 12:44
      Permalink

      Sim Paulo Silva. Vc pontuou bem. A foto ilustrativa da matéria mostra como era a praia da lagoa há 10 anos atrás. O parque está muito diferente. O objetivo do IEF é que ninguém visite aquela unidade.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *