Prefeito Gustavo Nunes envia à Câmara proposta de adicional de insalubridade aos agentes de saúde

IPATINGA – A Câmara Municipal de Ipatinga recebeu nesta quinta-feira nova proposta que contempla os profissionais de saúde do município. O Projeto de Lei nº 66/21, de autoria do prefeito Gustavo Nunes (PSL), estende o adicional de insalubridade de 40% aos agentes comunitários de saúde enquanto durar o estado de calamidade pública em função da Covid-19.

O novo projeto de lei foi elaborado após a categoria reivindicar a inclusão desses profissionais entre os contemplados pela recém-aprovada Lei Municipal nº 4.150/21, que dispõe sobre o pagamento de adicional para os servidores públicos da Saúde.

De acordo com o texto protocolado na Câmara, os agentes comunitários de saúde estão em contato permanente com a população e com risco eminente de serem contaminados pela Covid-19.

“Tendo em vista que estão diretamente ligados ao acolhimento dos usuários nas áreas de abrangência de sua equipe ou Unidade de Saúde, realizando visitas dentro dos domicílios das famílias assistidas.”

O documento afirma ainda que a crise causada pelo vírus alterou significativamente o modo de trabalhar.

“Certamente a crise acarretada pela pandemia causada pelo coronavírus alterou a forma de condução e cuidados desses profissionais de saúde que lidam e são expostos diariamente às mais diversas situações, devendo ser garantida em grau máximo uma contraprestação pelos riscos que estão correndo para salvar vidas.”

O texto segue agora para análise por três comissões permanentes da Câmara. Caberá, portanto, às Comissões de Saúde Pública, de Finanças e Orçamento e de Legislação e Justiça analisar o conteúdo da matéria.

Por se tratar de projeto de lei com pedido de regime de urgência, o texto deverá tramitar em ritmo acelerado e entrar em votação já na próxima semana.

Mais

O agente comunitário de saúde é o profissional responsável por realizar atividades que previnam doenças e promovam a saúde das pessoas. Suas ações são realizadas com base em estratégias de educação popular, feitas em domicílios ou comunidades, conforme as diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *