Sem acessibilidade, “Dedo de Prosa” no JBN com Beto do Estofamento, foi ao pé da escadaria

Para não enfrentar 26 degraus até a redação do JBN, o jornalista Paulo César Reis, recepcionou Beto do Estofamento, para um “Dedo de Prosa” e um cafezinho, na porta de entrada do prédio que não possui acessibilidade. (As máscaras foram tiradas somente no momento da foto)

Timóteo – Roberto Gomes de Sousa, o Beto do Estofamento, 52 anos, enfrenta vários desafios para se deslocar pela cidade de Timóteo e do Vale do Aço. Usuário de cadeira de rodas desde criança, por várias vezes tem que sair de casa com horas de antecedência para não perder os compromissos. Morador do Distrito de Cachoeira do Vale, na cidade de Timóteo, Beto não se deixa abater diante dos obstáculos, e na maioria das vezes dribla a  dificuldade de locomoção com muito bom humor.

Na manhã desta quinta-feira (24), Beto do Estofamento, visitou a redação do JBN, para um ‘Dedo de Prosa’ com o jornalista e editor Paulo César Reis. Inusitadamente, a recepção ao visitante só foi possível ao pé da escadaria, visto que a redação do JBN está localizada em um prédio, apesar das ótimas instalações, não oferece acessibilidade aos cadeirantes.

Sem nenhum constrangimento, visitante e visitado bateram um longo ‘Dedo de Prosa’, tomaram um cafezinho na porta de entrada do prédio, oportunidade em que Beto do Estofamento falou das dificuldades que enfrenta no dia a dia, mas diz que está acostumado, mas que a acessibilidade precisa ser discutida diariamente.

Ainda, Beto contou que a falta de acessibilidade, os obstáculos e as barreiras nas calçadas são os que mais dificultam o deslocamento pela cidade. “O pior das calçadas é justamente as calçadas. Em muitos locais, como hospitais, repartições públicas, lojas e outros, para chegar até eles têm subidas, às vezes o local até tem acessibilidade, mas para chegar têm obstáculos”.

RAMPAS

Sempre com sorriso no rosto, ele fala que algumas rampas nas cidades são projetadas para “matar o cadeirante”. Ele descreve que as rampas é um pouco íngreme, eu consigo subi-la sozinho às vezes, eu subo de costas, mas já caí uma vez, então eu prefiro pedir ajuda para evitar.

Outra coisa que “fico sem entender, por que os setores de trânsito pintam a faixa para pedestres, mas não fazem o rebaixamento do meio fio”, alerta.

Beto do Estofamento está pré-candidato a vereador pelo município de Timóteo. A sua bandeira de luta, mesmo sem possuir cargo público, é a garantia do direito de ir vir das pessoas com alguma dificuldade de locomoção.

 

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *