Costura pela vida, uma rede de proteção tecida ponto a ponto

Bom Jesus do Galho – Profissionais da rede municipal de Bom Jesus estão se dedicando ao Costura pela vida, que consiste na produção de máscaras de proteção contra o coronavírus para serem doadas na comunidade.

A ação conta com a parceria de servidores das secretarias municipais, como da Educação, representada pela cantineira Anita Viana, que fala sobre sua satisfação em colaborar com a iniciativa. “É muito gratificante a gente ir à rua e ver as pessoas usando um item de proteção tão importante para preservar a vida. Fico feliz em ver que o nosso trabalho não está sendo em vão”.

Anita deu início à confecção de máscaras para os estudantes da rede municipal de ensino  logo que foi anunciado um possível o retorno das aulas.

Além de máscaras, Anita  produz jalecos para os profissionais da saúde, outro item importante de proteção para quem está à frente das ações de enfrentamento da pandemia.

Elisângela Dutra, funcionária da Secretaria de Saúde, conta que divide seu tempo entre o serviço interno do setor, os atendimentos ao público  de balcão, telefônico “e, agora, com a produção das máscaras”.

Segundo Elisângela, a confecção teve início pela escassez das máscaras no mercado, pela demanda crescente pelos itens e pelo baixo custo do material empregado na produção das peças. Ela explica que “as máscaras são distribuídas entre os servidores públicos da saúde e de outros setores da rede municipal de serviços, entre pessoas que vão em busca de atendimento nas unidades de saúde sema a peça de proteção e pessoas em vulnerabilidade social. As máscaras são oferecidas também nas barreiras para quem chega ao município sem máscara”.

Além do horário de expediente do setor, de 8 às 17h, de segunda a sexta-feira, Elisângela costuma ficar até mais tarde e aos sábados e feriados “para dar conta do recado. Quando é preciso aumentar a produção, costumamos estender a jornada de trabalho pela boa causa, ajudar nossa cidade a se proteger do coronavírus”.

Segundo Elisângela, houve dias em que ela chegou a produzir 100 máscaras em doze horas. “Os pedidos nunca são inferiores ao de 60 unidades, principalmente em função das blitze, uma ação que acontece diariamente em vários pontos do município e que busca impedir a entrada na cidade de pessoas sem máscara”.

PARCEIROS

A Secretaria Municipal de Assistência Social cedeu suas máquinas de costura para a fabricação das máscaras, um processo que contou ainda com a ajuda da Associação Mães de Mãos Dadas, e de alguns voluntários do município que doaram parte dos materiais utilizados na produção.

O projeto Costura pela vida, que tem como slogan “uma rede de proteção tecida ponto a ponto”,  busca mais parceiros para ampliar a produção das máscaras. “As máscaras são um  item prioritário nas medidas de prevenção do coronavírus. Não só nossa cidade, mas o mundo sente a falta de equipamentos de proteção individual para médicos e entidades assistenciais. Esta nossa ação, que é resultado de esforço conjunto, vem ajudar a suprir a escassez do artigo. Para que possamos fabricar mais máscaras, é fundamental que mais pessoas participem do projeto”, diz a secretária de Saúde, Neuricéia Martins, a Neurinha.

Ela destaca que, além do uso da máscara, a comunidade precisa manter as demais orientações das autoridades de saúde, como isolamento social, higienização regular das mãos, não compartilhamento de objetos de uso pessoal, entre outras recomendações.

Outra observação feita pela secretária é sobre os procedimentos

DICAS SOBRE O MANUSEIO DA MÁSCARA

  • Lave as mãos antes de colocar a máscara;
  • Cada máscara é de uso individual;
  • Ela deve cobrir o queixo e o nariz;
  • Não deixe a máscara frouxa no rosto;
  • Não toque no pano da máscara e não a remova ao falar;
  • Tire a máscara pelas alças laterais, sem tocar no tecido;
  • Por fim, faça a higienização com água e sabão após o uso.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *