terça-feira, março 5, 2024
DestaquesPolícia

PÊNDULO: EMPRESÁRIO SALTA PARA A MORTE NA PONTE DA PRAINHA NA BR-381

Nova Era – Foi sepultado na manhã deste domingo (4), na cidade de Nova Era, o corpo do empresário Adam Esteves Gomes Dias Martins Cardoso, de 25 anos, morto na tarde deste sábado (3), para praticar o esporte chamado ‘rop jump’, em Antônio Dias, no Vale do Aço.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a corda do equipamento teria arrebentado durante a prática. O salto era feito de cima do Viaduto da Prainha, na BR-381, que tem aproximadamente 100 metros de altura. Adam Esteves, segundo testemunhas, pagou R$ 50,00 pelo salto.

Adam Esteves caiu de altura de 100 metros

Os militares que atenderam a ocorrência contaram à reportagem que o corpo da vítima foi encontrado no chão, já sem vida. O jovem estava acompanhado de amigos e outras pessoas que também praticavam o esporte. Algumas delas ficaram nervosas com o acidente e precisaram receber atendimento médico.

Testemunhas relataram aos socorristas que, durante a pandemia, o local tem sido procurado frequentemente por praticantes do esporte, que consiste em pular em queda livre de um ponto fixo, amarrado em uma corda normal ou elástica, para se balançar de um lado para outro. No caso do empresário, a corda se rompeu e o mesmo continuou em queda livre até se chocar com o chão.

Ainda segundo os bombeiros, quatro homens que estavam no local eram responsáveis pela instrução dos saltos. A PM (Polícia Militar) foi acionada para colher informações sobre o esporte e sobre a morte do empresário. Segundo o boletim de ocorrência, a vítima era moradora da cidade de Nova Era (MG).

Compartilhe em suas redes sociais

2 thoughts on “PÊNDULO: EMPRESÁRIO SALTA PARA A MORTE NA PONTE DA PRAINHA NA BR-381

  • Matheus

    O nome do esporte é Pendulo (ropeswing), não tem nada a ver com bungee jump, não é preso pelos pés também. Eu, como praticante do esporte, fico extremamente triste com o acontecimento, tentamos tanto colocar esse esporte maravilhoso no mapa, mas acidentes acontecem. Força para os familiares, se foi falha humana, os responsáveis serão responsabilizados, se não foi, ainda sim, viverão com esse fardo eternamente.

    Resposta
    • Paulo Cesar Reis

      Boa tarde Matheus.
      A sua contribuição foi de fundamental importância para o enriquecimento da matéria. Vamos sim fazer a correção para que saibamos diferenciar um esporte do outro.
      Grande abraço e agradecemos a sua escolha de leitura para o JBN.

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *