Aciapi e CDL defendem reabertura do Shopping Vale do Aço, bares e restaurantes

Ipatinga – Está marcada para a tarde de quarta-feira (22) a audiência de conciliação, por meio virtual, entre representantes do Shopping Vale do Aço e do Ministério Público, para discutirem acerca da reabertura do empreendimento, que está fechado há cerca de quatro meses, por força de decisão judicial. Para evitar maiores prejuízos financeiros, a Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Prestação de Serviços de Ipatinga (Aciapi) e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) defendem que o Shopping Vale do Aço possa voltar com suas atividades o quanto antes.

Conforme o presidente da Aciapi, Cláudio Zambaldi, o funcionamento do shopping é muito importante para o comércio de Ipatinga e do Vale do Aço, já que contribui para a geração de centenas de empregos. “A restrição do funcionamento do shopping impacta todo o comércio da região. Já houve o encerramento de atividades de lojas dentro do empreendimento, o que provocou muitas demissões. Por isso que esperamos que haja um bom senso nessa audiência de conciliação e que possa contribuir para a reabertura do centro de compras. Entendemos que o shopping está preparado para voltar a receber consumidores, de maneira segura, assim como os bares e restaurantes, que não podem mais ser penalizados”, afirmou.

Bares e restaurantes
O presidente do Sindicato das Empresas de Hotéis, Bares e Restaurantes (Sindhorb) do Vale do Aço, Benedito Pacífico da Rocha, destacou que o setor de bares e restaurantes passa por uma série de dificuldades em Ipatinga, devido à restrição imposta em seu funcionamento. “A única permissão de funcionar é com delivery e retirada no balcão, mas isso não é suficiente para manter as despesas e pagar salários dos funcionários, o que está acarretando sérios problemas para os empresários desse setor. Portanto, aguardamos que as autoridades liberem o consumo interno, porque a situação está cada vez pior”, relatou.

Normalização do funcionamento do comércio
Já o presidente da CDL de Ipatinga, Amaury Gonçalves, afirmou que as entidades empresariais também aguardam a próxima reunião do Comitê Gestor de Crise, em data a ser marcada, para que as discussões sobre a normalização do funcionamento do comércio de Ipatinga possam ser retomadas. “Quando o comércio não essencial foi fechado, no dia 21 de março, o objetivo do comitê era que a cidade pudesse preparar seu atendimento na área da saúde para receber os pacientes com covid-19, o que tem sido feito desde então, com a ampliação do número de leitos e de respiradores na rede pública. Dessa forma, entendemos que já é possível voltar com o funcionamento do comércio de Ipatinga de segunda-feira a sábado, assim como ocorre em Coronel Fabriciano e Timóteo”, destacou.

Decisões judiciais
O Shopping Vale do Aço foi fechado no dia 21 de março, após decisão do Comitê Gestor de Crise e a consequente publicação do Decreto Municipal nº 9.281/2020, devido à pandemia da covid-19. No dia 28 de abril, teve a reabertura autorizada por meio do Decreto Municipal 9.312/2020, publicado pelo governo de Ipatinga, operando com horário reduzido e restrição de público. O Ministério Público discordou da decisão da reabertura, foi à Justiça por meio da interposição de uma Ação Civil Pública e, no dia 8 de maio, o juiz de Direito da Vara da Fazenda Pública da Comarca de Ipatinga, Luiz Flávio Ferreira, acatou um pedido de liminar e suspendeu parcialmente os efeitos do Decreto 9.312/2020 do dia 28 de abril, interrompendo as atividades no shopping, com algumas exceções. Da mesma forma, suspendeu o funcionamento dos bares e restaurantes, que estava igualmente permitido, restringindo o atendimento via sistema de entrega (delivery).

Já no dia 14 de maio, o desembargador Wilson Benevides, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), indeferiu a solicitação de reabertura do centro de compras que havia sido feita pela Intermall Empreendimentos e Participações – empresa que administra o shopping. Desde então, o centro de compras permanece com suas atividades suspensas, com algumas exceções, que são lojas do segmento essencial, como Consul, Petico Pet Shop, lotérica e Vacina Vale.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *