Secretários e direção do CEFET avaliam parcerias para desenvolvimento de projetos

TIMÓTEO – Propostas de parcerias envolvendo o município e a direção do Centro Federal de Educação Técnológica – CEFET MG – Campus Timóteo, foram debatidas em reunião nesta segunda-feira (04/06). O encontro aconteceu na sala de reuniões do gabinete, com a participação dos secretários de Fazenda, Délio Bicalho, e de Planejamento, Ronam Delfim com o diretor do CEFET Timóteo, Leonardo Lacerda Alves.

Segundo o secretário de Planejamento, Ronan Defim, o CEFET é uma instituição respeitada que já possui parceria com a prefeitura. “Nosso objetivo é aproveitar essa parceria em prol do município, ajudar no setor de cadastro imobiliário e fazer todo um estudo par a gente entender a cidade em termos de imóveis e organização de vários setores da economia”, destacou.

O trabalho, envolvendo alunos e professores do CEFET,  pode colaborar, inclusive, com a revisão do plano diretor do município, ajudando na busca de informações economicamente interessante para os empresários, para planejamento de edificações de prédios públicos como escolas, creches e de áreas com possíveis problemas de saúde. “São informações que o pessoal do CEFET pode levantar e a prefeitura usar para o bem de todo o município”, completou Ronan Delfim.

A partir desta reunião, será feito pela Prefeitura de Timóteo, um levantamento de demanda de pessoas e do tipo de serviço necessário para a realização dos trabalhos para que o CEFET possa adequar o perfil dos alunos e iniciar as atividades. “É uma excelente alternativa para o município, que passa a contar com pessoas treinadas, bem formadas, contribuindo para a atividade operacional da Prefeitura. É bom também para o CEFET que contribui para a formação do seu estudante que passa a ter vivências de vida real no município”, destacou o diretor do CEFET, Leonardo Lacerda.

Segundo Leonardo Lacerda, o CEFET tem uma função social muito importante que é formar capacidade de trabalho para a região. “Eu tenho alí não somente estudantes mas também cidadãos que podem contribuir com uma função social diferente, em suas respectivas áreas de atuação”. “Ali nós temos cidadãos aprendendo, atuando e percebendo outras necessidades para contribuir para políticas públicas, seja de segurança, de saúde, de mobilidade urbana, entre outras”, completou Lacerda.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *