Dívida de R$ 32 milhões do Governo de MG, faz Corpo Clínico do Márcio Cunha paralisar atividades

IPATINGA – A notícia da paralisação das atividades do Corpo Clínico do Hospital Márcio Cunha (HMC), em Ipatinga, pegou de surpresa a população do Vale do Aço. No início deste mês de julho, em Timóteo, o Hospital e Maternidade Vital Brazil, também suspendeu atendimentos devido a falta de repasse do convênio celebrado com o governo estadual.

Falando da paralisação, a Fundação São Francisco Xavier (FSFX) informa que o pagamento de parte dos recursos pactuados pelos atendimentos realizados por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) não vem sendo feitos pelo Governo do Estado de Minas Gerais, o que já gerou nos últimos três anos, uma dívida acumulada de aproximadamente R$ 32 milhões.

“Mesmo com os atrasos e a crescente dívida do Governo do Estado, a FSFX sempre se esforçou em manter os atendimentos aos usuários do SUS e efetuou, mesmo sem receber, o pagamento de todos os honorários médicos. No entanto, a partir de julho, diante da grande pressão de atendimentos sobre o HMC, decorrente do fechamento e restrições de atendimentos de vários hospitais da região e ainda diante da falta de perspectiva e nenhuma programação para a quitação da dívida, o Hospital Márcio Cunha não tem mais como arcar com o repasse dos honorários, o que já foi comunicado ao corpo clínico”.

ASSEMBLEIA

Na noite desta segunda-feira (30), em assembleia, o corpo clínico do HMC definiu por paralisar os atendimentos eletivos do SUS, por tempo indeterminado (cirurgias, internações, consultas e exames). Os serviços de urgência e emergência e maternidade aos pacientes do SUS estão assegurados.

A FSFX reforça que, nos últimos anos, tem se esforçado para manter os atendimentos aos usuários do SUS e buscado, de forma permanente, diálogo e meios de negociar junto ao Governo do Estado o recebimento dos valores atrasados, contudo, sem êxito.

Luiz Márcio Araújo, diretor executivo da Fundação São Francisco Xavier, disse que foram feitas inúmeras tentativas pelos dirigentes da instituição com o objetivo de sensibilizar o Governo do Estado de Minas Gerais quanto a gravidade e os riscos da situação. “Infelizmente, não obtivemos respostas concretas, mesmo considerando que o Hospital Márcio Cunha é âncora de atendimentos na região Leste de Minas Gerais e um dos maiores prestadores do SUS no Estado”, lamenta.

A Fundação São Francisco Xavier reitera que o HMC preserva, ao máximo, sua vocação como hospital geral e de alta complexidade na assistência aos mais diversos casos e reforça seu compromisso com o SUS e seus princípios de responsabilidade social, com plena convicção da responsabilidade, sensibilidade e qualidade do seu corpo clínico.

 

 

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *