IEF inicia reabilitação de animais apreendidos na operação Macaw

Redação – Animais resgatados das mãos de criminosos durante a Operação Macaw, realizada entre os dias 17 e 18 de setembro, já estão sendo acompanhados por equipes veterinárias dos Centros de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres (Cetas/Cetras) e serão conduzidos pelas equipes do Instituto Estadual de Florestas (IEF) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Os dois órgãos atuam em conjunto nos três Cetas que compartilham em Belo Horizonte, Juiz de Fora e Montes Claros, e no Cetras estadual de Patos de Minas.

Ao todo, foram retirados da rota do tráfico 141 animais, sendo que 106 foram recebidos nessas estruturas. Dentre os resgates feitos estão algumas espécies raríssimas e ameaçadas de extinção, como a arara-azul grande e o mico-leão-dourado. Outros recebimentos foram de papagaios, tucanos, cágados, pítons, faisões, maritacas, macaco-prego, tigre d’água, jiboia, jacarés, entre outras espécies.

De acordo com a diretora de Proteção à Fauna do IEF, Liliana Adriana Nappi Mateus, os animais foram distribuídos entre as quatro estruturas, tendo sido destinados ao Cetas Belo Horizonte 33 animais, enquanto a unidade de Montes Claros recebeu 6 e o Centro de Triagem de Juiz de Fora ficou com 63 animais. Para o Cetras de Patos de Minas foi encaminhado um animal.

No caso do Cetas de Juiz de Fora, segundo a veterinária do IEF que atua na unidade, Laura Silva de Oliveira, alguns animais chegaram com visíveis sinais de maus-tratos. “A maioria dos animais estava com condição corporal elevada, proveniente de alimentação inadequada, levando-os à obesidade”, explicou.

Segundo ela, dois animais em específico estão com quadros mais graves. Um gavião Carcará apresentou uma fratura exposta e uma maritaca que também está com uma das asas fraturada. “De início, todos os animais foram triados, avaliados e se encontram em quarentena para avaliação do comportamento, ingestão hídrica e alimentar, e para presença ou não de alguma patologia que possa se manifestar”, acrescentou Laura.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *