Ipatinga recebe no dia 16/1 espetáculo A Sós no Teatro Zélia Olguim

IPATINGA – Espetáculo “A Sós” estreia em Ipatinga e aborda dramas e angústias vivenciadas durante um “acerto de contas” de um casal.

“Falar da solidão contemporânea e os desajustes psicológicos que levam ao distanciamento entre os seres e a “desumanização”. A peça A Sós tem como fonte inspiradora a relação humana, a solidão e as angústias vivenciadas numa relação conjugal”, explica o ator e autor da peça Ubiratan Santana. O texto aborda o momento do “acerto de contas” de um casal, trazendo à tona suas lembranças melancólicas que revelam as marcas e dores que vivenciaram em um relacionamento doentio, mas que aparentava normalidade e sofisticação aos olhos da sociedade. Os personagens, inseridos num espaço e tempo distorcidos, evidenciam seus medos, suas obsessões e principalmente suas “cicatrizes” conjugais. Por meio de elementos poéticos e simbolistas, a trama aborda a violência contra a mulher. O espetáculo estreia no dia 16/1 (quarta-feira), às 20h, na cidade de Ipatinga no Teatro Zélia Olguin (Av. Itália, 1890 –Cariru) com entrada franca.

A montagem “À sós” irá percorrer 8 cidades mineiras até o primeiro trimestre deste ano. A próxima será Araxá, em seguida Betim, Curvelo, Mariana, Sete Lagoas, dentre outras cidades. Os ensaios e todo o processo de pré-produção da montagem foram realizados na cidade de Betim. “A realização deste projeto tem o objetivo de suprir uma grande demanda quanto ao estímulo à produção e circulação de espetáculos na cidade. Nossa intenção é estimular a produção teatral local e desta forma, suprir uma lacuna artística existente de produções teatrais daqui, minha cidade natal. A partir desta construção, iremos circular por cidades do interior do Estado, que muitas das vezes também têm acesso limitado às produções artísticas. A ideia é realmente buscar a descentralização do acesso à cultura, que, muitas das vezes, fica concentrado apenas na Capital”, conta Santana.

A história foi construída através pesquisas sobre a temática e muitos estudos envolvendo a psicanálise. Ubiratan Santana se inspirou principalmente nas obras do teatrólogo Samuel Barclay Beckett, (Teatro do Absurdo). “Também foquei no método das ações físicas de Stanislavski, o qual o venho há anos pesquisando, especialmente por ter feito parte do grupo de pesquisas Ficçõesda Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que tem foco no trabalho desse teatrólogo.’

A montagem tem cerca de 50 minutos de duração, com 3 personagens em cena, inseridos dentro da estética teatral realista emoldurada em uma dramaturgia de cena e cenográfica que trará elementos minimalistas para ressaltar o simbólico, a desconstrução temporal e a sutileza do universo psicológico, no qual os personagens construíram para se aprisionarem. “Queremos levar aos olhos do público mineiro uma montagem em teatro realista e trazer de forma simbólica, poética e mitológica, a triste cultura de brutalidade que por anos tem subjugado às mulheres à condição passiva diante de um mundo machista. O enredo não tem o intuito de focar nas agressões físicas, mas sim, na agressão psicológica que uma mulher pode sofrer nas mãos de seu companheiro. Na solidão e na intimidade de seus lares. Os espectadores serão provocados a refletir sobre atitudes quase imperceptíveis, mas que estão muito presentes na contemporaneidade e na realidade de seu cotidiano, numa trama com um final surpreende.”

Espetáculo “A Sós”

Temporada: 16/1/19 (quarta-feira) – 20h

Local: Teatro Zélia Olguin (Av. Itália, 1890 –Cariru)

Ingressos: Gratuitos – retirados 30 minutos, antes do espetáculo, na bilheteria do espetáculo.

Duração: 50min

Classificação indicativa: 18 anos

Faceboook: @espetaculoasos

Instagram: @espetauloasos

https://espetaculoasos.com.br/

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *