Sete de Setembro em Timóteo foi marcado por desfile e protesto de aposentados

TIMÓTEO (Fotos PCReis) – O desfile Cívico alusivo ao dia 7 de Setembro, promovido pela Secretaria Municipal de Educação de Timóteo, apresentou o tema “Resgatando a Ética nas relações”. O evento aconteceu na  Alameda 31 de Outubro, bairro Centro Norte, que contou com a presença do prefeito Douglas Willkys e do vice-prefeito, José Vaspasiano Vespa.

O evento, que comemora o Dia da Independência do Brasil, registrou a presença de um público estimado em três mil pessoas. O desfile reuniu alunos das redes pública e particular de ensino e de representantes de entidades como Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Grupo de Escoteiros Jequitibá, Lions, Rotary, Maçonaria, entre outros. O desfile cívico foi aberto pela Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, seguidos da Corporação Musical Santa Cecília.

O secretário municipal de Educação e Cultura de Timóteo, José Vespasiano Cassemiro, explicou que a temática escolhida propõe uma reflexão sobre a necessidade de valorizar as pessoas e promover uma cultura de paz. “Temos que valorizar o sentimento cívico, uma vez que as relações estão muito deterioradas. Precisamos ter consciência da importância do nosso patriotismo como uma referência para a cidadania”, citou José Vespasiano.

PROTESTO

Ao final do desfile, um grupo de servidores públicos aposentados da Prefeitura de Timóteo, que luta na justiça desde 2016 pelo pagamento da complementação nos salários, realizou um protesto bem a frente do palanque das autoridades.

O prefeito Douglas Willkys não quis comentar a manifestação, mas reiterou o compromisso assumido de cumprir a determinação judicial. “Entendo a ansiedade dos servidores aposentados e quero levar a tranquilidade de que o direito adquirido será respeitado. Estou sensível a essa situação que prejudica centenas de famílias em nosso município”, afirmou o prefeito.

Entenda

Em outubro de 2016, o pagamento das complementações dos servidores inativos do município foi suspenso quando a Justiça acatou uma Ação Civil Pública de autoria do Ministério Público, que questionou a legalidade do benefício sem o recolhimento da contribuição previdenciária pelos servidores municipais.

A complementação em Timóteo foi instituída por meio da Lei 2.021/99, na época do governo Anchieta Poggiali (PSDB). O Ministério Público Estadual entendeu que o benefício é inconstitucional e ingressou com uma ADIN contra o pagamento e, em primeira instância ficou determinado a suspensão da complementação. A decisão foi mantida em segunda instância. Apesar disso, os desembargadores entenderam que os servidores já aposentados deveriam continuar a receber a complementação. Mas a complementação não pôde ser restabelecida por causa da Ação Civil Pública, que agora foi suspensa. Novas aposentadorias com benefício complementar somente serão possíveis com a criação do Regime Próprio de Previdência Municipal.

 

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *