Sem solução há três anos, taxa de esgoto volta ser assunto na Câmara de Timóteo

Palanque político na última eleição municipal, a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) voltou a ser assunto na Câmara Municipal de Timóteo pelo tema já conhecido: taxa de esgoto. 

TIMÓTEO – Na primeira reunião ordinária do ano de 2018, realizada na noite da última quinta-feira (01), os vereadores aprovaram o requerimento 005/2018, de autoria do presidente da Casa, Adriano Costa Alvarenga, que desta feita questiona o valor da tarifa de esgoto cobrada dos consumidores, tendo em vista o baixo custo operacional de captação e tratamento da água em Timóteo.

Alvarenga solicita da Procuradoria de Justiça de Defesa do Consumidor do Ministério Público de Minas Gerais,  a instauração de um inquérito civil público, com o objetivo de reduzir a tarifa de esgoto cobrada em Timóteo, a partir de um estudo da forma de tratamento e captação da água no município. O documento solicita ainda, “se for o caso, a suspensão da tarifa” até que se chegue a um valor justo, compatível ao custo empreendido pela Copasa.

MINERAÇÃO

O vereador Fábio Campos Binha também apresentou requerimento na reunião desta quinta-feira. O intuito foi solicitar informações referentes à política regional de proteção e conservação do meio ambiente e de gerenciamento dos recursos hídricos, principalmente quanto à Mineradora Bemisa, que atua na Mina Baratinha, localizada em Antônio Dias/MG.

De acordo com o requerimento, aprovado por unanimidade, estas informações devem ser solicitadas à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e à Superintendência Regional de Regularização Ambiental (Supram), através do Núcleo Regional de Regularização Ambiental de Timóteo, órgãos responsáveis pela fiscalização do empreendimento. O objetivo, conforme descrito no documento, é “prevenir eventuais danos sociais e ambientais e responder aos questionamentos da população”.

COMISSÃO ESPECIAL

Outro requerimento aprovado na Câmara, foi à constituição de uma comissão especial para apurar os motivos do cancelamento das provas do processo seletivo realizado pela Prefeitura de Timóteo no dia 21 de janeiro passado, tendo em vista, conforme noticiado pela imprensa à época, que em algumas salas o gabarito preenchido foi entregue junto com a prova. A comissão especial ficou constituída pelos vereadores Professor Diogo Siqueira, Adriano Alvarenga e Ivair Guimarães; e suplentes, Moacir de Castro, Geraldo Gualberto e Wladimir Careca.

Fonte: Site da CMT

 

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *