Coligação protocola denúncia de crime contra o candidato a prefeito de Timóteo, Carlos Vasconcelos (PCdoB)

TIMÓTEO – A Coligação A Mudança de Verdade apresentou no fim da tarde deste domingo (3/6) uma denúncia de crime eleitoral contra o candidato a prefeito Carlos Vasconcelos (PCdoB).

Foram duas as denúncias de crime de “arguição temerária de inelegibilidade” protocoladas na 98ª Zona Eleitoral de Timóteo. A primeira em nome do candidato a vice-prefeito, Professor Vespa, com o número 82803/2018 e a segunda em nome do candidato a prefeito Douglas Willkys, sob o número 82804/2018.

Nas denúncias, que tem como base os termos do artigo 25, da LC 64/90 (Lei da Ficha Limpa), ficou evidenciado, segundo os advogados da coligação, que o único propósito da denúncia feita no dia 1º de junho pelo candidato comunista, Carlos Vasconcelos, foi o de promover uma desordem no processo eleitoral timotense. A ação reforça que a intenção de Vasconcelos foi a de usar o Judiciário em atitude matreira, ardil, irresponsável, leviana e temerária, escoltado de má-fé, para divulgar a mentira de que os candidatos da chapa A Mudança de Verdade estariam inelegíveis, o que é falso.

Após protocolar a Ação de Impugnação de Registro de candidatura, Carlos Vasconcelos e seus correligionários começaram a espalhar a falsa notícia de que Douglas e Professor Vespa estariam inelegíveis e que não escapariam do indeferimento das respectivas candidaturas, o que é totalmente falso.

Na denúncia de crime contra Carlos Vasconcelos, o jurídico da campanha de Douglas e Vespa reforça essa tese citando novamente o art. 25 da Lei Complementar nº 64/90 no qual: “Constitui crime eleitoral (…) a impugnação de registro de candidato feito (…) forma temerária ou de manifesta má-fé. *Pena: detenção de 6 meses a 2 anos e multa”.*

A coligação Mudança de Verdade já havia mencionado que o fato já tinha sido justificado e que a responsabilidade pela publicação era da ex-presidente da Casa naquela oportunidade, a vereadora Guaraciaba Gomes Martins (PMDB) e sua equipe técnica, e que os vereadores, entre eles Douglas e Professor Vespa, não tiveram nenhum benefício ou vantagem pessoal indevido com a publicação.

Assim sendo, o jurídico da coligação A Mudança de Verdade ingressa na Justiça Eleitoral, denunciando Carlos Vasconcelos pelo cometimento do citado fato e pedindo a comunicação dessa denúncia ao Ministério Público Eleitoral, para que Vasconcelos responda judicialmente por tal crime, *podendo ser condenado à prisão por até 2 anos*

 

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *