Centro POP de Ipatinga oferece projeto de geração de renda para moradores de rua

IPATINGA – Os moradores em situação de rua, drama vivido por muitos municípios, estão ganhando em Ipatinga uma interessante oportunidade de inclusão produtiva e social. A partir desta terça-feira (28), numa iniciativa da Secretaria Municipal de Assistência Social, a Prefeitura está ofertando uma oficina de artesanato direcionada para esse público, no Centro de Referência Especializado para a População em Situação de Rua, o chamado “Centro POP”, que fica na rua Pouso Alegre, no Centro.

O projeto é operacionalizado pela Seção de Inclusão Produtiva, em parceria com empresas privadas como a Enertec e a Espaço Diesel. Atualmente, cerca de 350 pessoas passam mensalmente pelo Centro POP.

Em junho deste ano, o prefeito Nardyello Rocha realizou uma reunião com a equipe da Secretaria Municipal de Assistência Social e, na oportunidade, quis se inteirar das ações já desenvolvidas na cidade, buscando novas soluções para esta questão que afeta um grande contingente de pessoas na região.

“Precisamos enfrentar o problema de maneira integrada e dar respostas mais satisfatórias, mesmo com a insuficiência de orçamento. Nesse sentido, oficinas como estas que estão sendo ofertadas pelo Centro POP, combinadas com outras medidas de valorização humana, têm um papel muito importante. O ganho é de toda a sociedade. Ao mesmo tempo, geramos autoestima e produzimos emprego e renda”, avaliou o Executivo.

Oficina

Com quatro meses de duração, o projeto das oficinas ganhou o nome de “São José Operário”. A ideia inicial é formar, em média, 15 futuros artesãos. O papel dos instrutores é ensinar os moradores em situação de rua a transformar em pufes, mesas de centro, luminárias e lixeiras os filtros de ar de veículos pesados que são substituídos nas manutenções.

As aulas serão realizadas sempre às terças-feiras e terão duração de uma hora. Segundo a psicóloga do Centro POP, Samira Pontes, a entidade, já atende duas vezes por semana a população referenciada, por meio de rodas de bate-papo, trazendo temas que são importantes para a reinserção dos moradores em situação de rua na sociedade.

“Essa oficina é mais uma estratégia para buscar a reinserção social deste grupo. O curso possibilita a geração de trabalho e renda para essa população. Vamos ofertar um ofício para eles, e a partir daí eles vão produzir peças, que serão inseridas no mercado. O dinheiro da venda será destinado aos próprios moradores de rua”, esclareceu a psicóloga.

Além de todo o material para realização das oficinas, o Centro POP também irá oferecer um café da manhã, após o término das aulas.

centro pop

A matéria-prima principal da oficina são os filtros de ar, doados pelas empresas parceiras do projeto.

Parcerias

Para a realização das oficinas, a Seção de Inclusão Produtiva, que tem como objetivo criar oportunidades de trabalho para o público inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais ou CadÚnico, buscou parcerias com empresas privadas.

“Já trabalhávamos com uma empresa que realizava essa doação dos filtros. Agora conseguimos outra parceria, que surgiu durante conversas com outros empreendedores. Vimos a necessidade de criar oficinas que gerassem emprego e renda, para que no futuro esses moradores de rua sejam novamente inseridos no mercado de trabalho”, explicou a gerente da Seção de Inclusão Produtiva, Arli Germana da Silva Schuchter.

O gerente de uma das empresas parceiras, a Enertec, André Souza, relatou que a ideia de reciclar os filtros usados, após a manutenção dos veículos pesados, veio do pai. “Os filtros começaram a se acumular na oficina e daí meu pai teve a ideia de pintar, criar vasos e pufes, a princípio só para decorar o ambiente. Após essa conversa com a gerente da Seção de Inclusão Produtiva, definimos estas doações e o projeto tomou grande proporção. Estamos sendo oportunizados a ajudar pessoas”, contou.

Serviços ofertados

No Centro POP, a População em Situação de Rua dispõe de serviços como o incentivo à reinserção familiar e/ou comunitária, encaminhamento para a área da saúde, espaço para banho e lavanderia, além de atendimento interdisciplinar com psicólogos e assistentes sociais.

 

A Prefeitura mantém ainda, direcionados a esse público, um convênio com a Casa de Acolhimento Parusia (próximo à Praça Caratinga) – que oferta alimentação e dormitório; o Consultório na Rua, com serviços de atenção básica na área de saúde, e a Clínica Psicossocial (Clips), especializada em reabilitação psíquica e social.

 

Há ainda parcerias importantes com o Ministério Público, com a Polícia Militar por meio do programa “Crack, é possível vencer”, com a sociedade civil organizada e com algumas igrejas.

Compartilhe em suas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *